Correria de final de ano

Final de ano é sempre corrido. Parece que ao chegarmos perto da data limite tudo fica mais ‘hectic’. Já perceberam a loucura que está o trânsito?

Em meio a prazos curtos e projetos para 2010 fomos na expo do Vik Muniz no MON e está bem legal. Vale a pena tirar um tempo da tarde para passar por lá e depois tomar um café no Café do Museu.

Neste final de semana vamos fazer nossas compras de Natal no Mega Bazar Lúdica, que promete ser o melhor de todos os já feitos até hoje. Vai ser sexta, sábado e domingo na Casa Vermelha do Largo da Ordem. www.galerialudica.com.br

E quem estiver de passagem por Nova York, não deixe de visitar a expo do Tim Burton no MoMA! Vá e conte para a gente como é pois estamos morrendo de vontade de fazer uma raspa nas nossas milhas para ir até lá.

Anúncios

Não vale não visitar

Já faz algum tempo que as obras da Coleção Renault estão expostas no MON. Como parte dos eventos do Ano da França do Brasil, a coleção traz obras de vários artistas de peso para Curitiba. Fora isso, o café do museu está lindo e merece uma visita. Agora, não fique se enrolando, pois apesar da coleção ficar ainda mais um tempo, quem se enrola acaba perdendo. E isso seria uma pena.

Curitiba com cara de São Paulo

Um dos eventos do Festival de Curitiba foi o Gastronomix. Apesar de não ter conseguido ir em nenhuma peça este ano, estava morrendo de vontade de ir neste evento, principalmente por causa dos chefs, mas também pelo conceito (meio quermesse), pelo lugar (vão do MON) e pelo fato de ser no fim-de-semana.
Lá fomos nós, de mala e cuia pro museu. Tava muito lotado. Muito lotado tipo São Paulo. Tipo feirinha da Liberdade em São Paulo. Fila pra comprar ficha, fila pra bebida e muita, muita fila em todas as barracas. Neguinho comendo em pé mesmo. Ninguém parecia muito revoltado. Acho que o povo entrou no clima. Vi um canto em uma mesa coletiva e resolvi pegar o lugar. Me dei bem. Mas daí, quando fui pra fila pra comer, tinha acabado a comida. De todas as barraquinhas, uma por uma. Dos chefes de fora, dos chefs daqui, do Celso Freire, do arroz de Siri, da nossa Kika Marder, acabou tudo. Não eram nem duas da tarde, quando isto aconteceu.
No dia seguinte, foi igual.
Tomara que alguém com dinheiro ou poder, se inspire no fenômeno que foi o evento e faça de novo. E que da próxima vez, de tempo de eu comer!

Patipapp