Sobre gastronomia e viagens

Receita práticas e fáceis de fazer, dicas de culinária, viagens incríveis e muita irreverência! Já está circulando a nova Tutano, um projeto apetitoso da Pulp Edições.

receitas

capa Tutano nº4

 

A revista, assinada por Beto Madalosso, está ganhando espaço no cenário gastronômico curitibano e já virou referência quando o assunto é culinária e viagem.

fotos da Índia

uma viagem pela Índia

Divertida, bem humorada e cheia de informações bacanas, a nova edição abre com uma pauta que tem dado o que falar na cidade: a reforma do Mercado Municipal. Ouvimos clientes, lojistas e funcionários para saber o que acham das mudanças que estão acontecendo por lá. Já a seção On The Road traz o relato de Paola Seixas Gulin, que já foi modelo, trabalhou em uma grande empresa e decidiu descer do salto alto para explorar a Índia e mostrar que o mundo precisa de atitude!

bacalhau na páscoa

receita de arroz de polvo

 

Os chefs Eva dos Santos (Bistrô do Victor) e Emerson Félix Pereira (Kan) ensinam receitas incríveis para quem quer fugir do Bacalhau na Páscoa. Quer receber os amigos para um jantarzinho e surpreender na cozinha? Não perca a entrevista com a food stylist Ana Spengler. Ela ensina truques para deixar os pratos mais bonitos e decorar a casa com charme. E, como no fim tudo acaba em pizza, uma matéria recheada de muita mozzarella e molho de tomate, explica qual é a diferença entre as nossas pizzarias e as pizzarias italianas.

pizzaria

Pizzas italianas e brasileiras: qual é a diferença?

Madalosso

Receitas da Forneria Copacabana

Quer experimentar? Siga a Tutano no Facebook

Anúncios

Expert em assuntos da Índia

Eu estava reparando na pilha de livros que está se formando em meu quarto e me dei conta que a grande maioria deles são de escritores indianos ou sobre a Índia. Desde o “Tigre Branco”, “Sua resposta vale um bilhão”, “Seis suspeitos”, “Suíte Elefanta”e agora “Shantaram”. Aos poucos, estou aprendendo muito sobre como os indianos vêem o mundo e a si próprios.

Este último, o “Shantaram”, foi escrito por um australiano que fugiu da cadeia e foi morar em Mumbai. A história do cara é fascinante e o livro cheio de informações preciosas sobre o sub-mundo da cidade. O mais interessante é que ele foi preso algumas vezes, deportado para a Austrália e hoje ele viaja mundo afora contando sobre as suas aventuras. E o livro vai se transformar em filme. O cara tem um site e vale a pena dar uma olhada nele. www.shantaram.com

picture-3

Fora isso, vejo muitos filmes de Bollywood. Tenho uma grande coleção em casa e sempre recebo filmes novos dos meus amigos que moram em Dubai e em Nova Delhi. É bacana notar a evolução dos temas de cada produção.

Um amigo aqui de Curitiba que coleciona revistas Vogue sempre me encomenda a Vogue India quando eu viajo e aproveito para ler antes de entregar para ele.

Nossa coolhunter de Barcelona foi visitar a ARCO Madrid 2009. Neste ano o país convidado foi a Índia. Por isso estamos a par dos grandes nomes da arte contemporânea de lá.

Já estive na Índia umas 5 vezes para visitar as cidades e ir à casamentos, além de ter ficado duas vezes em Calcutá quando voava para a Emirates. Ah, e vôos bate-volta, em que eu pousava e ficava uma hora no aeroporto esperando para voltar para Dubai foram centenas, para quase todas as cidades importantes (que eu vi da janela do avião).

Então se alguém quiser informações, uma palestra ou o que seja sobre a Índia, fale com a Pulp!

Vikas Swarup e o Oscar

O livro que deu origem ao roteiro do Slumdog Millionaire (Quem quer ser um milionário) chama-se Q&A em inglês ou, Sua resposta vale um bilhão, em português. O diplomata indiano Vikas Swarup, que mora na África do Sul, é quem escreveu a história. E agora é famoso mundo afora por causa do sucesso do filme.

Ele tem outro livro no mercado, bem mais interessante do que o Q&A, chamado Six Suspects. Eu começei a ler na sexta-feira e fiquei grudado nele durante o final de semana. Para quem gosta de histórias intricadas, cheias de insights sobre a Índia moderna, vai adorar. O mais interessante é que, quanto mais leio sobre a Índia, mais vejo que o Brasil é a versão latino-americana dela. Quem ler vai entender.

picture-11

A Pulp visita a ARCO 2009 em Madri

Nossa coolhunter, Vavá Almeida, foi até Madri para visitar uma das mais importantes feiras de arte contemporânea da Europa, a ARCO. A cada ano, um país é convidado para ocupar a ala especial. Em 2009 foi a vez da Índia, que aproveitou para transformar a cidade em um grande espaço de mídia para a campanha turística Incredible India.

Em Londres e Nova Délhi

A nossa rede de coolhunters têm tido trabalho ultimamente. Na semana passada, Giovana Ruaro foi ao seminário “What’s Next” organizado pela agência Winkreative em Londres. Diversos palestrantes de empresas ligadas ao setor do design, retail e serviços falaram do que esperar para o futuro próximo. Mais informações no pulpsalsa 33, que vai ao ar no dia 16.12.

picture-1

Hoje e amanhã acontece em Nova Délhi, na Índia, a conferência anual do jornal International Herald Tribune sobre o mercado de alto luxo. Estamos com dois contatos feitos através do ASmallWorld de olhos e ouvidos nas palestras que mapearão o mercado no ano de 2009.

picture-4

De qual Índia estamos falando?

news8_0

O meu irmão Raul e o Gui, irmão da Pati, já foram para Índia algumas vezes. Eles adoram ficar em hotéis baratinhos, cheios de baratinhas pelo chão. Andam de trem na terceira classe e acham lindo se misturar com o povaréu para sentir a “verdadeira Índia”. Tudo bem, cada um gosta de uma coisa diferente na vida.

Eu e a Pati também adoramos a Índia, mas da parte que dá certo. Gostamos das lojas descoladas de Apollo Bunder em Mumbai, dos apartamentos em Malabar Hill, dos shoppings de Gurgaon, dos call centers de Bangalore e dos estúdios de Bollywood.

São dois países bem diferentes. Mais diferentes do que os extremos do Brasil. Imagine uma vaca dentro do Shopping Cidade Jardim!

Escrevi este post porque acabei de ler um livro de Aravind Adiga, chamado de Tigre Branco. Ele fala destas duas Índias. É interessante ler as opiniões de um indiano sobre seu próprio país. Em muitos aspectos se parece bastante com o Brasil. O livro ganhou o Booker Prize deste ano e vale a pena. Já saiu no Brasil.